fbpx

Heroínas da manutenção: Rosana Souza

Ela enfrentou inúmeros desafios em sua trajetória, mas sua força de vontade nunca a deixou desistir de realizar seus sonhos. Rosana possui sete anos de experiência na área de manutenção industrial e já adquiriu muitos conhecimentos passando por cinco empresas, entre elas grandes nomes como Gerdau e Companhia Siderúrgica Nacional.

As primeiras batalhas

Nossa heroína foi criada pela mãe e também pela avó em Minas Gerais. Rosana teve a primeira filha aos 15 anos, mas nunca deixou de dar muita atenção aos estudos. Mesmo enquanto estava grávida e após o nascimento de sua filha, ela conta que fez todas as provas do colégio. No ensino médio, porém, teve a segunda filha, momento no qual precisou se afastar um ano da escola para se dedicar aos cuidados dela. Apesar dos obstáculos impostos aos estudos, ela nunca se separou dos livros pois sabia da importância de investir na educação.

Após o ensino médio, fez curso técnico em eletromecânica e manutenção industrial no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais e aproveitou algumas cadeiras para depois se formar em engenharia de Controle e Automação. A rotina na época da faculdade não era fácil, pois ela tinha conseguido bolsa de estudos e precisava sempre de boas notas para mantê-la.

Ao fim de sua formação, foi fazer estágio como auxiliar de elétrica na CSN. Na época em que assumiu essa posição lá, o Brasil enfrentava ainda os efeitos da crise de 2008 e, por isso, não foi contratada após o estágio.

Dando a volta por cima

Não pode perder a fé. São muitos obstáculos que surgem na vida, mas sempre tive na cabeça que daria a volta por cima.

Durante a conversa que tive com ela, Rosana soltou essas duas frases. Foi mantendo a confiança de alcançar seus objetivos profissionais e se esforçando muito que oportunidades foram se abrindo.

Rosana Souza com uniforme de trabalho

Nas próximas empresas em que trabalhou, incluindo a Gerdau, chegou a cuidar da operação em processos de usina e teve vários tipos de treinamento e certificações que enriqueceram sua formação na área de manutenção! Entre eles, aprendeu sobre Análises de Vibrações Mecânicas, Inspeção e Análises Termográficas e Termométricas e Balanceamento em Máquinas Rotativas.

Entre as pessoas que conheceu onde trabalhou, ela relata que sempre havia uma que a ajudava. “Em 2013, tive o desafio de lidar com automotores e não sabia de nada dessa área, mas um técnico que tinha muita paciência me explicou tudo sobre caminhões. Hoje sou muito grata a ele e também ensino algumas coisas de volta”.

A guerra nunca cessa

Mesmo com mais experiências adquiridas, os desafios eram grandes e não paravam de surgir. O próximo que enfrentou foi trabalhar em turno de revezamento onde precisava ficar com o rádio o tempo todo e a rotina era muito puxada: “Eu tinha que lidar com a manutenção corretiva nesses turnos e era sempre um desespero para corrigir os problemas. Afinal, a usina não podia parar.”

Além dos desafios profissionais, ela sentiu na pele o que foi ser a primeira mulher contratada para esses turnos pois, apesar de ter tido a ajuda de um técnico que a auxiliou muito no trabalho, também teve contato com um outro que causou alguns problemas. Ela desabafa que esse técnico uma vez foi ríspido no diálogo com ela desnecessariamente e, para ele, o trabalho dela também nunca estava bom. Apesar dos atritos, sempre foi muito profissional e não deixava isso afetar seu trabalho.

Como a rotina dos turnos estava muito puxada, decidiu fazer uma mudança para o turno do dia.

Nossa heroína comentou que uma vez estava realizando uma atividade elétrica na empresa quando a equipe de manutenção chamou-a no rádio pedindo ajuda na transferência de uma máquina. Ela era a única pessoa que sabia como fazer aquilo naquele turno. Isso mostra o alto nível de experiência que ela tem lidando com várias atividades diferentes relacionadas à manutenção.

Mais para frente em sua trajetória profissional, ficou um ano afastada para cuidar de seu terceiro filho. Ela sentiu que teve que se reacostumar depois de um ano afastada, mas estava pronta para assumir desafios novamente.

A força de uma mulher

Nada nos impede. É só ter boa vontade de aprender e ser humilde para pedir ajuda e também ajudar quem precisa.

Rosana Souza eletricista de manutencao

Sobre a evolução na sua carreira, ela conta que no início tinha muita insegurança, mas que hoje ela sente que está tudo bem. Hoje em dia, Rosana atua como eletricista de manutenção II na CSN e desabafa sobre os desafios de cuidar da parte elétrica, pois mexe com altas tensões e, por isso, erros não são permitidos. “Dá medo de mexer em alguns equipamentos. Eu chego a pensar na minha família, peço para Deus me proteger. Felizmente nunca houveram acidentes pois somos muito treinados.”

Sobre a mensagem que Rosana quer passar, ela reitera que lugar de mulher é onde ela quiser! “Basta estudar, ter disciplina, saber onde quer chegar e ter foco. É interessante que as pessoas compram livros, engulam manuais, sejam donas da área em que atuam e nunca desistam.”