banner-Motorredutores: Técnicas Avançadas de Manutenção

Tempo de leitura: 13 minuto(s)

Motorredutores: Técnicas Avançadas de Manutenção

Na atual era industrial, os motorredutores desempenham um papel essencial em uma ampla gama de aplicações, desde a automação de processos na indústria de manufatura até a eficiência energética em sistemas de transporte. Esses dispositivos combinam a potência de um motor elétrico com a versatilidade de uma caixa de engrenagens, permitindo reduzir a velocidade e aumentar o torque para se adaptar a diferentes necessidades de operação.

No entanto, para garantir um desempenho ótimo e uma vida útil prolongada, a manutenção adequada dos motorredutores é essencial. Em um ambiente industrial, os componentes mecânicos estão expostos a desgaste, calor, umidade e outros fatores que podem afetar negativamente seu funcionamento. Por essa razão, está se tornando cada vez mais necessário implementar técnicas avançadas de manutenção que vão além das práticas convencionais.

Este artigo tem como objetivo apresentar uma visão abrangente das técnicas avançadas de manutenção para motorredutores, focando em como maximizar a eficiência operacional e minimizar os tempos de parada não planejados.

No decorrer do artigo, exploraremos diversas abordagens, ferramentas e tecnologias emergentes que estão revolucionando a execução da manutenção nesse campo.

O que é um Motorredutor?

Os motorredutores desempenham um papel fundamental ao impulsionar uma ampla variedade de máquinas e dispositivos industriais que requerem uma redução eficiente, constante e segura de sua velocidade.

Nas operações industriais, utilizamos esses dispositivos para reduzir a velocidade, aproveitando a caixa de engrenagens interna para modular a velocidade de entrada e alcançar uma velocidade de saída específica. Isso permite que as máquinas alcancem velocidades adequadas, evitando danos aos equipamentos aos quais estão conectados.

Os motorredutores são ideais para aplicações que exigem movimentos lentos e potentes, como esteiras transportadoras, sistemas de elevação, equipamentos de manipulação, robôs industriais, e muitas outras aplicações na indústria.

É importante notar que os motorredutores podem ter diferentes características de acordo com suas especificações, como a relação de engrenagens, o tipo de motor utilizado e a eficiência do conjunto. Portanto, ao selecionar um motorredutor para uma aplicação específica, é necessário considerar cuidadosamente as necessidades de torque, velocidade e desempenho necessários para garantir um funcionamento ideal do sistema.

Como Funciona um Motorredutor?

O motorredutor possui duas partes principais: o motor elétrico e a caixa de engrenagens. O motor elétrico, geralmente um motor de corrente alternada ou corrente contínua, é responsável por gerar o movimento inicial e a energia para impulsionar o sistema. Por outro lado, a caixa de engrenagens contém uma série de engrenagens de tamanhos e números de dentes diferentes.

Quando a energia elétrica se aplicada ao motor, ele começa a girar. A energia gerada transfere-se para a caixa de engrenagens por meio de um eixo de saída. Dentro da caixa de engrenagens, as engrenagens interagem para reduzir a velocidade do eixo de saída enquanto aumentam o torque. A relação entre o número de dentes nas engrenagens determina a velocidade de saída e o torque resultante.

A engrenagem de entrada, conectada diretamente ao eixo do motor, chamada de pinhão, e a engrenagem de saída, conectada ao eixo de saída, chamada de coroa. A disposição e o número de engrenagens intermediárias podem variar de acordo com o projeto e as especificações do motorredutor.

A função das engrenagens é transferir a potência do motor para o mecanismo ou máquina que está sendo acionada.

Leia também: Motores de indução, uma revolução na indústria

Tipos de Motorredutores

Tipos de redutores e exemplos

Redutor Planetário

Um motorredutor planetário, também conhecido como redutor planetário ou engrenagem planetária, é um tipo específico de motorredutor que utiliza um conjunto de engrenagens planetárias para alcançar a redução de velocidade e o aumento de torque. Caracterizado por seu design compacto, alta eficiência e capacidade de transmitir grandes cargas de torque.

O motorredutor planetário se compõe por três componentes principais:

  • Sol: É a engrenagem central, geralmente em forma de disco, localizada no centro do sistema. O sol se conecta diretamente ao eixo do motor e é o elemento que impulsiona a rotação inicial.
  • Planetário: São engrenagens menores que giram ao redor do sol no mesmo plano, daí o nome “engrenagem planetária”. Essas engrenagens estão montadas em eixos chamados braços ou portadores de planetas. Os planetas têm uma relação de engrenagem com o sol, o que determina como o movimento será transmitido ao próximo componente.
  • Coroa ou Anel: É o componente externo e estático do sistema. Ele é dentado por dentro e circunda os planetas. Os dentes da coroa se engrenam com os planetas, garantindo assim que a rotação dos planetas seja transmitida ao anel, transmitindo a saída através do eixo de saída do redutor.
Exemplo de redutor planetário
Esquema de motorredutor planetario

O princípio de funcionamento de um motorredutor planetário baseia-se na combinação dos movimentos dos planetas e do sol. Conforme o motor faz o sol girar, os planetas também giram ao seu redor. A disposição das engrenagens e suas relações de velocidade permitem que os planetas girem em torno de seu próprio eixo enquanto giram ao redor do sol. Isso cria um movimento orbital que transmite o movimento e o torque através do anel, alcançando uma redução de velocidade e um aumento no torque de saída.

A disposição planetária das engrenagens permite distribuir a carga entre múltiplos dentes, melhorando a capacidade de carga e reduzindo a fadiga das engrenagens. Essa característica faz com que os motorredutores planetários sejam ideais para aplicações que exigem altos níveis de precisão e durabilidade.

Saiba como otimizar as rotas de manutenção industrial?


Motorredutores Rosca Sem-fim e Coroa

Motorredutor coroa

Um motorredutor rosca sem-fim e coroa, também conhecido como redutor de rosca sem-fim ou redutor sem-fim e coroa, é um tipo de redutor composto por dois elementos-chave: uma rosca sem-fim e uma coroa.

Rosca Sem-fim: A rosca sem-fim é uma peça alongada em forma de hélice conectada ao eixo do motor elétrico. Trata-se de uma engrenagem cilíndrica helicoidal com uma única rosca que transmite o movimento rotativo do motor para a coroa. A disposição helicoidal da rosca sem-fim cria uma ação de empuxo e rotação, o que permite reduzir significativamente a velocidade de saída em comparação com a velocidade do motor.

Coroa ou Roda Dentada: A coroa é uma grande roda dentada circular com dentes dispostos em sua periferia. Esses dentes se engrenam com a rosca sem-fim, permitindo que a rotação da rosca se transmita à coroa. A disposição dos dentes e da rosca sem-fim determina a relação de transmissão entre a velocidade de entrada do motor e a velocidade de saída do redutor.

Esse design proporciona um aumento significativo no torque de saída, tornando-o adequado para aplicações que exigem alta potência em um espaço compacto.

Os motorredutores rosca sem-fim e coroa são amplamente utilizados em uma variedade de aplicações, como sistemas de elevação.

Motorredutor de Eixos Paralelos

Motorredutores de eixos paralelos

Um motorredutor de eixos paralelos é um tipo de sistema de transmissão mecânica que utiliza uma disposição de engrenagens para reduzir a velocidade de rotação e aumentar o torque de saída no mesmo plano, ou seja, com eixos de entrada e saída paralelos. Esse tipo de motorredutor é amplamente usado em várias aplicações industriais e mecânicas, onde é necessária alta eficiência, design compacto e transmissão confiável de potência.

A configuração de um motorredutor de eixos paralelos geralmente consiste em dois eixos colocados paralelamente dentro da carcaça do redutor. Um dos eixos está conectado ao motor elétrico, enquanto o outro é o eixo de saída que transmite o movimento para a maquinaria ou sistema que deve ser acionado.

Dentro da carcaça do motorredutor, estão as engrenagens que possibilitam a transmissão de potência. Essas engrenagens podem ser de diferentes tipos, como engrenagens retas, helicoidais ou cônicas, dependendo do design e das especificações do redutor. As engrenagens são dispostas de forma que haja a redução de velocidade e o aumento de torque entre o eixo de entrada e o eixo de saída.

O funcionamento de um motorredutor de eixos paralelos baseia-se na interação entre os dentes das engrenagens. Quando o motor elétrico gira o eixo de entrada, as engrenagens transferem o movimento para o eixo de saída, porém com uma velocidade reduzida e um aumento no torque de saída. A relação de transmissão entre a velocidade de entrada e saída é determinada pelas características das engrenagens usadas.

Esse tipo de motorredutor é uma solução valiosa para aplicações que exigem maior potência de saída em relação à velocidade de entrada.

Técnicas Avançadas de Manutenção para Motorredutores

A manutenção adequada dos motorredutores é essencial para garantir um desempenho ótimo e uma vida útil prolongada desses dispositivos. As técnicas avançadas de manutenção para motorredutores buscam maximizar a eficiência operacional e minimizar os tempos de parada não planejados. Agora, veremos algumas das técnicas mais utilizadas:

Análise de Vibrações

A análise de vibrações é uma ferramenta fundamental na manutenção preditiva de máquinas industriais em geral, incluindo motorredutores.

Ela permite detectar problemas em estágios iniciais ao monitorar as vibrações geradas pela máquina em funcionamento.

Um aumento anormal nas vibrações pode indicar desequilíbrios, desalinhamentos, folgas, desgaste excessivo ou outros problemas potenciais que podem levar a uma falha no equipamento.

O processo de análise de vibrações para motorredutores envolve várias etapas-chave:

  • Coleta de Dados: Sensores de vibração são instalados em pontos estratégicos do motorredutor para medir as vibrações geradas durante sua operação normal.
  • Monitoramento Contínuo: Os sensores registram as vibrações ao longo do tempo enquanto o motorredutor está em operação. Isso pode ser em condições de carga total ou em diferentes níveis de carga para avaliar o comportamento em diferentes situações operacionais.
  • Análise do Espectro de Frequência: Os dados coletados são convertidos em um espectro de frequência por meio de análise de Fourier .

Relatórios de manutenção: KPI`s para uma gestão profissional

Esse espectro mostra as frequências presentes nas vibrações e pode revelar padrões característicos associados a diferentes tipos de problemas.

  • Comparação com Baseline: O espectro atual é comparado com uma linha de base previamente estabelecida para a máquina em condições ideais. Qualquer desvio significativo pode indicar a presença de problemas.
  • Diagnóstico e Identificação de Problemas: Com base nos padrões de frequência observados, é feito um diagnóstico para identificar a falha potencial.

Por exemplo, um pico em uma frequência específica pode sugerir um desalinhamento, enquanto um padrão disperso pode indicar um desgaste geral.

  • Priorização e Planejamento de Manutenção: Dependendo da gravidade do problema detectado, pode ser estabelecida uma priorização para a manutenção. Problemas mais críticos podem exigir ação imediata, enquanto outros podem ser planejados para manutenção futura.
  • Acompanhamento e Verificação: Após a realização das ações de manutenção, é feito um acompanhamento para verificar se as vibrações diminuíram e se o problema foi resolvido.

Leia sobre: Análise de vibração em rolamentos

Termografia

Na manutenção preditiva de motorredutores, a termografia se destaca como uma técnica valiosa. Ela se baseia na detecção das variações de temperatura na superfície de objetos ou equipamentos, permitindo a identificação precisa de problemas e anomalias, sendo aplicadas das seguintes formas:

  • Preparação e Equipamento:

Uma câmera termográfica é necessária, sendo um dispositivo capaz de capturar imagens infravermelhas que representam as diferenças de temperatura.

Além disso, é crucial que o motorredutor esteja operando em condições normais de carga e operação para obter medições precisas.

  • Captura de Imagens:

Capture imagens da superfície do motorredutor e seus componentes enquanto eles estiverem em funcionamento.

É necessário capturar imagens de diferentes ângulos e distâncias para obter uma visão completa da máquina.

  • Análise das Imagens:

Ao processar as imagens capturadas, utilize um software de análise termográfica para gerar mapas de temperatura.

As cores no mapa de temperatura indicam variações de temperatura, onde as cores mais quentes (como vermelho e amarelo) representam áreas mais quentes, e as cores mais frias (como azul e verde) representam áreas mais frias.

Análise e monitoramento de temperatura

  • Comparação com Referências:

Compare as imagens termográficas com as imagens de referência capturadas quando o motorredutor estava em condições ideais.

Isso identifica as áreas onde as temperaturas estão mais altas ou mais baixas do que o normal.

  • Interpretação dos Resultados:

Busque por padrões anormais nas imagens termográficas, tais como pontos quentes ou frios, gradientes de temperatura irregulares ou áreas com flutuações térmicas.

Esses padrões podem indicar problemas como superaquecimento, desgaste nos rolamentos, fricção excessiva ou desequilíbrios.

  • Diagnóstico de Problemas:

Usar as informações das imagens termográficas para identificar e diagnosticar possíveis problemas no motorredutor.

Além do que, pontos quentes podem indicar fricção excessiva devido a problemas de lubrificação, em contraste áreas frias podem indicar problemas de fluxo de energia ou defeitos em componentes.

  • Determinação de Ações de Manutenção:

Com base no diagnóstico, planejar e priorizar as ações de manutenção necessárias.

As ações podem incluir lubrificação adequada, substituição de rolamentos, ajuste de componentes ou reparos adicionais.

  • Acompanhamento e Verificação:

Após executar as ações de manutenção, é necessário capturar novas imagens termográficas para verificar se houve redução ou eliminação das diferenças de temperatura.

Monitoramento de vibração em Motorredutor e Motorredutores

Análise de Lubrificantes

Assim sendo, a análise de lubrificantes assume um papel crucial na manutenção preditiva de motorredutores pois além de proporcionar insights valiosos, essa prática fundamental contribui substancialmente para aprimorar tanto a confiabilidade quanto a eficiência dos nossos motorredutores em operação contínua. A seguir, apresentamos alguns pontos que você deve considerar para realizar uma análise de lubrificantes de forma adequada:

  • Seleção de Pontos de Amostragem:

Identifique os pontos estratégicos para coletar amostras de lubrificante, como o cárter do motorredutor e os rolamentos.

Siga as recomendações do fabricante e a experiência anterior para selecionar os pontos adequados.

  • Frequência de Amostragem:

Estabeleça uma frequência regular e consistente de amostragem, alinhada de maneira precisa com as condições de operação e o ciclo de vida útil do lubrificante em questão.

A frequência pode variar de mensal a trimestral, dependendo da criticidade e do ambiente de trabalho.

  • Método de Amostragem:

Use técnicas de amostragem limpas e apropriadas para evitar a contaminação das amostras.

Use ferramentas limpas e recipientes de coleta adequados para minimizar a introdução de contaminantes.

  • Análise Físico-Química:

Realize testes de viscosidade, teor de água, teor de partículas sólidas e outros parâmetros físico-químicos.

Essas análises ajudam a determinar a qualidade geral do lubrificante e sua capacidade de proteger os componentes do motorredutor.

  • Análise de Desgaste:

Use técnicas como espectrometria de emissão óptica ou espectrometria de massa para identificar metais e elementos de desgaste no lubrificante.

Compare os resultados com limites de referência para detectar sinais precoces de desgaste em rolamentos, engrenagens ou outros componentes.

  • Contaminação e Contaminantes:

Avalie a presença de contaminantes externos, como água, partículas de poeira ou produtos de combustão, que possam afetar a qualidade do lubrificante e a operação do motorredutor.

  • Interpretação dos Resultados:

Compare os valores obtidos com as especificações do fabricante do lubrificante e os padrões industriais.

Procure tendências nos resultados ao longo do tempo, o que pode indicar mudanças na condição do motorredutor.

  • Diagnóstico e Ações de Manutenção:

Com base nos resultados da análise, diagnostique problemas potenciais, como desgaste excessivo, contaminação ou degradação do lubrificante.

Determine as ações de manutenção necessárias, como trocar o lubrificante, filtrar, limpar ou reparar componentes.

  • Registro e Acompanhamento:

Mantenha um registro detalhado de todas as análises de lubrificantes realizadas, incluindo os resultados e as ações tomadas.

Use esses registros para acompanhar a saúde do motorredutor e tomar decisões informadas em análises futuras.

  • Treinamento e Colaboração:

Assegure que a equipe encarregada da análise de lubrificantes receba treinamento na interpretação de resultados e na tomada de decisões de manutenção.

Entenda tudo sobre manutenção assistida.

Colabore com especialistas em lubrificação e manutenção para obter orientação em casos de problemas complexos.

Além das técnicas avançadas de manutenção que já discutimos, é sempre essencial implementar tecnologias como um software de gerenciamento de manutenção e sensores de monitoramento do estado de condição das máquinas, que auxiliam a tomada de decisões mais eficientes nas rotinas de manutenção.

author-Erik Cordeiro
Erik Cordeiro

Engenheiro eletricista formado pela Universidade Federal de São Carlos, especializado em manutenção industrial e gestão de energia. É engenheiro de aplicações na TRACTIAN.

Posts Relacionados

Compartilhe este artigo

smart-trac-chip-blog-Tractian

Está gastando muito com a manutenção inesperada de suas máquinas?

Preencha abaixo o seu e-mail e descubra com o nosso especialista como reduzir esse custo!